Mente sã corpo são

A saúde da nossa mente afeta diretamente a saúde do nosso corpo e, quando uma não vai bem, a outra pode sofrer interferências. Aprender a manter o equilíbrio entre mente, corpo e vida social garante uma vida muito melhor. Quando os pacientes procuram o médico, esperam que o profissional solucione seus males, que são os mais variados como: úlceras, palpitações, asma brônquica, alergias, labirintite, gastrite enfim… muitos são os males que assolam as pessoas. Mas o que não sabem é que eles, mesmo inconscientemente, podem estar causando seus próprios males.

Sabemos hoje que a emoção provoca lesões desastrosas no corpo. Uma situação estressante, forte, por longo período, produz em nosso organismo um desequilíbrio, e toda a nossa fisiologia se altera. A psicologia psicossomática, tem como função ajudar o paciente a equacionar a origem estressante, que produz o sintoma, para que a cura possa se estabelecer. Uma vez detectada e processada pelo paciente a origem, os sintomas desaparecem.

Nós, seres humanos, sofremos influência de três fatores: biológico, psicológico e social. Segundo a presidente da Associação Brasileira de Medicina Psicossomática (ABMP), Solange Lopes de Souza, “todas as doenças são psicossomáticas, sem exceção. Enquanto seres biopsicossociais temos polaridade somática, polaridade psíquica e polaridade social. Por isso, temos que tomar um cuidado muito grande quando segregamos das doenças, nós somos seres integrados. O que acontece na minha mente repercute na esfera somática e social”.

Manter as partes que compõem nosso ser em equilíbrio é fundamental, e o equilíbrio desse tripé é mutável, se uma coisa não me afeta hoje, pode passar a afetar amanhã. Depende da minha qualidade de vida, de como eu estou comigo e de como eu estou com o todo. Questões genéticas e familiares também fazem parte desse processo, de modo que tudo influencia. O equilíbrio do binômio saúde-doença é variável. Em alguns momentos estamos mais fragilizados e, em outros, mais resistentes.

Sabemos que pessoas mais velhas estão mais propensas às enfermidades e ao desequilíbrio biopsicossocial. Solange explica que “elas, em geral, estão mais sujeitas a todas as doenças, nem tanto pela idade cronológica, mas pela maneira como tenha vivido, o estilo de vida, o quanto ela se cuidou,  com quem conviveu, a qualidade do sono, o quanto fez de extravagâncias e o quanto respeitou os seus limites. São marcas que ela própria foi imprimindo em si mesma ao longo da vida, e o resultado atual é a soma de todas as vivencias. Sabemos que muitas mudanças físicas ocorrem com a idade, por questões hormonais, sociais etc. Cabe a pessoa buscar seu ponto de equilíbrio para aquele determinado momento da vida”.

O ponto de equilíbrio varia de pessoa para pessoa e de momento para momento, não é estático, e nesse momento se mostra importante  conhecer e  respeitar os limites, isso garantirá a manutenção da saúde física e psíquica. Manter uma boa saúde, práticas saudáveis não é muito fácil, no entanto é preciso buscar uma forma de estar em harmonia, para ter qualidade de vida através uma alimentação saudável, praticar atividades físicas regularmente, fazer exames preventivos, buscar  ambientes agradáveis e, especialmente, respeitar e identificar os próprios limites. Sem esquecer que a psicologia é sua grande aliada.

Abração a todos e até o próximo POST.

Therezinha Silveira

Anúncios

Deixe um comentário

Preencha os seus dados abaixo ou clique em um ícone para log in:

Logotipo do WordPress.com

Você está comentando utilizando sua conta WordPress.com. Sair / Alterar )

Imagem do Twitter

Você está comentando utilizando sua conta Twitter. Sair / Alterar )

Foto do Facebook

Você está comentando utilizando sua conta Facebook. Sair / Alterar )

Foto do Google+

Você está comentando utilizando sua conta Google+. Sair / Alterar )

Conectando a %s