Você tem dificuldade para identificar suas angústias?

Image‘‘Quantas vezes você sentiu angústia, uma dor no peito incontrolável, uma vontade imensa de colocar para fora o que sentia, com a nítida sensação que se não falasse iria explodir e percebeu que não havia ninguém com quem falar? Ou ainda, quantas vezes desabafou com alguém que acreditava ser confiável e depois, tudo aquilo que foi confidenciado tornou-se alvo de fofocas ou comentários maldosos?

Já percebeu as infinitas vezes que procurou alguém para falar o que estava sentindo e era só parar para respirar, o outro logo vinha contando a própria história, te deixando com a sensação de que não foi ouvido? E naquele momento você precisava apenas de alguém com sensibilidade para que o ouvisse com atenção para aliviar sua dor. Mas o que acontece mesmo é que todos estão tão ansiosos para falar, que nem percebem o momento que devem calar e permitir que, quem os procurou tem angústia e só quer um ombro para chorar. Parece que o fato de falar dá ao outro o direito de julgar, emitir opiniões, mesmo quando não solicitado.

Como dor é algo que não podemos visualizar, é um sentimento abstrato, que muitas vezes temos dificuldade em identificá-los e entendê-los para assim poder organizá-los. Sentimos angústia, frustração, melancolia, uma grande confusão que nos impede até de pensar e, fugimos. Não queremos pensar e muito menos enfrentar, ainda que inconscientemente.

É claro que apenas uma minoria consegue colocar em palavras o que sente e pode dar nomes a alguns sentimentos estranhos, difícil de entender. Porém essa prática ajuda a acomodar as emoções, trazendo certo equilíbrio emocional, sem causar maiores traumas, dando a sensação estar no controle da situação.

Ao sentir angústia procurar, antes de tudo, buscar o autoconhecimento, tentar descobrir a causa através de reflexão, um mergulho dentro de si mesmo. Uma viagem na própria história, principalmente momentos que marcaram. Isso trará um entendimento mais profundo de muitas situações que foram deixadas de lado, mas que nem por isso foram resolvidas.

Normalmente é muito difícil fazer essa tarefa sozinho, mas se não conseguir busque um profissional que está apto a prestar serviços psicológicos em condições de trabalho eficiente, de acordo com os princípios e técnicas reconhecidas pela ciência, através prática e da ética profissional, baseando o trabalho no respeito, na dignidade e integridade do ser humano, visando assim minimizar o desconforto e a carga de estresse, com a finalidade de contribuir com equilíbrio funcional e o bem estar psíquico.

Abrção a todos, que 2013 seja um sucesso em todos aspectos.

Therezinha Silveira